Nossa Senhora da Assunção e São José


O Glorioso Santo

Neste mês queremos meditar sobre a santidade e grandiosidade de São José, não há nenhum santo depois de Nossa Senhora que se compare a São José. Olhando para sua santidade, nos confiemos em sua proteção e intercessão certos de que ele nos ensinará a viver em união com Jesus e com Maria, pois somente São José viveu em excelsa proximidade com Eles.

A Igreja nunca encontrou dificuldade em propor São José como exemplo e modelo para todos os cristãos. Evidentemente que a santidade de São José tem sua origem e a sua expressão na singular união e intimidade que viveu com Maria e Jesus. Desta realidade deriva a extraordinariedade da sua vida. A sua adesão à vontade de Deus, como disse Paulo VI, “é o segredo da grande vida para cada pessoa. Fundamentalmente a espiritualidade de São José, como uma proposta da Igreja, é algo acessível a todos os cristãos porque supõe a grandeza da vida diária enquanto tal”. 

Ainda ao afirmar a dignidade de São José não podemos esquecer que ele é o esposo de Maria, e que com ela teve um relacionamento profundo, e justamente porque Maria devia ter ao seu lado um esposo digno, Deus o elevou à altura de sua dignidade, também se ela, por ser a Mãe de Deus é superior em grandeza e dignidade a qualquer outra pessoa. 

Portanto, José ao servir Jesus, serviu também a obra da redenção. Na verdade o Verbo de Deus ao encarnar-se quis precisar dos préstimos e da colaboração de Maria para encarnar-se em seu seio virginal, como também de José, pelo período de alguns anos, para ajudá-lo em suas necessidades materiais e morais como homem. Nesta tarefa José empenhou-se com todo seu ser e sua liberdade, oferecendo-se a Deus como humilde oblação de sua vida. 

Devido a dignidade e grandeza de sua missão conferida para Deus, não resta dúvida que sua santidade é menor somente em relação à Maria. Ele identificou sua vontade humana com a vontade divina de Deus e viveu uma união profunda com ele na comunhão com Jesus. 

A santidade expressa-se também no amor a Deus, e neste sentido São José amou Jesus como ninguém no mundo com exceção de Maria. Ele amou Deus na pessoa de Jesus como a seu próprio filho e assim atingiu o máximo amor depois daquele materno de Maria.

 

Devemos lembrar que o evangelho define José como homem justo, o que significa que foi um homem que cumpriu de modo perfeito a vontade de Deus. Foi em razão desta justiça que Abraão, Isaac, Jacó, Moisés, os profetas, foram grandes santos, e que portanto tiveram uma grande dignidade porque participaram da história da salvação como colaboradores de Deus. Por isso podemos concluir que também José com a sua participação da história da salvação de uma maneira especial, como pai de Jesus, e pela convivência com ele, é o mais santo de todos os outros personagens do Antigo Testamento.
"São José é maior que todos os santos na graça e na glória" 

(Fonte: http://josefologia.blogspot.com/)

Durante o ano especial dedicado a São José, concede-se indulgêcia plenária, cumpridas as exigências habituais: confissão sacramental, comunhão eucarística, e as orações na intenção do Santo Padre. E entre uma das formas está a oração de Leão XIII, a ser rezada no dia 19 de qualquer mês e em qualquer quarta-feira, dia tradicionalmente dedicado a São José:

"A vós, São José, recorremos em nossa tribulação e, depois de ter implorado o auxílio de Vossa Santíssima Esposa, cheios de confiança solicitamos o vosso patrocínio. Por esse laço sagrado de caridade, que os uniu à Virgem Imaculada, Mãe de Deus, pelo amor paternal que tivestes ao Menino Jesus, ardentemente vos suplicamos que lanceis um olhar benigno para a herança que Jesus conquistou com seu sangue, e nos socorrais em nossas necessidades com o vosso auxílio e poder.
Protegei, ó Guarda providente da Divina Família, a raça eleita de Jesus Cristo. Afastai para longe de nós, ó Pai amantíssimo, a peste do erro e do vício; Assisti-nos do alto do céu, ó nosso fortíssimo sustentáculo, na luta contra o poder das trevas; assim como outrora salvastes da morte a vida do Menino Jesus, assim também defendei agora a Santa Igreja de Deus contra as ciladas de seus inimigos e contra toda adversidade. Amparai a cada um de nós com o vosso constante patrocínio, a fim de que, a vosso exemplo, e sustentados com vosso auxílio, possamos viver virtuosamente, morrer piedosamente e obter, no céu, a eterna bem-aventurança. Assim seja. Amém".
(Papa Leão XIII)