Nossa Senhora da Assunção e São José


São José e a Vida Interior

Neste mês em que celebramos Santa Teresa de Jesus, São José é um modelo de vida contemplativa. Ele como ninguém teve a alegria de contemplar em sua casa a Jesus e Maria. Por isto São José é mestre de oração. Peçamos sempre a São José a graça de sermos contemplativos no cotidiano de nossas vidas. É em Nazaré, em meio a carpintaria que São José nos ensina que podemos viver na presença de Deus, mesmo em meio as maiores ocupações. 

Quem poderá medir o amor de São José? 
O venerável Padre Jerônimo Gracián escreve em sua obra Josefina: "São João Evangelista, que uma vez se inclinou sobre o peito de Jesus, é chamado pelo Senhor o discípulo amado; qual não será então o amor de São José, que sobre ele tantas vezes se inclinou? E não somente José se inclinou sobre o peito de Jesus, mas numerosas vezes Jesus dormiu sobre o peito de José, colocando sua boca divina sobre aquele coração, amando-o, queimando-o e produzindo fendas de amor! E José vigiava seu sono, contemplando os mistérios contidos no coração de Cristo, motivando-se cada vez mais a amá-lo e enlevando-se em êxtase... Pela atenção e preocupação em amar e servir a Deus, José chegou a amar e ser amado com força, e desta força passou ao aumento e, por fim, ao cume do amor, de tal modo que não podia exprimi-lo de outra forma senão dizendo que, depois de Maria, José amou como José".

O amor de São José para Jesus era puro amor de contemplação desta verdade divina que se irradiava da própria humanidade de Jesus; era  ao mesmo tempo, puro amor a serviço à própria humanidade de Jesus. Com esta preocupação e dedicação para amar e servir a Jesus, São José procurou amar e ser amado com todas as suas forças e assim chegou ao cume supremo do amor, sendo que não se pode exprimi-lo de outro modo, senão concluindo que depois de Maria, José amou como  José, como afirmou Jerônimo Gracián.

Encontramos em São José uma “religiosa escuta da Palavra de Deus” (RC 5).Esta exemplar escuta foi vivida num clima de silêncio que acompanhava os acontecimentos de sua vida, e que lhe dava o seu perfil interior. Os evangelhos falam que José “fez”, mas este fazer é envolvido num profundo clima de contemplação (RC 28). A contemplação é definida como a ciência do amor (São João da Cruz), é aquela atitude de alguém  que se ilumina do amor de Deus ao considerar a sua beleza; é algo que faz com que a verdade divina não só seja vista, mas amada (Santo Tomás).

Em São José esta experiência amorosa da presença de Jesus estava intimamente ligada à sua paternidade, pois com o poder paterno sobre Jesus, Deus comunicou a São José o amor correspondente, aquele amor que tem sua fonte no Pai... (RC 27). 
São João de Cartagena citando a frase de Provérbios 6,27: “Pode alguém carregar o fogo sem queimar a própria roupa?, afirma igualmente que “José trazia em seu peito o fogo, isto é, Cristo, aliás, infinitas vezes o tocou com suas mãos, trocou suas roupas, vestiu-o, abraçou-o, beijou-o e certamente ardia em si de modo fortíssimo a chama do seu amor” (J.Vives, Summa Josephina, Romae, 1907, nº.  673-675). Por isso, São José superou todos os santos na vida contemplativa em vista de ser tocado profundamente durante a sua missão pelo exemplo de Cristo e de Maria. É por causa desta sua profunda vida interior alimentada pelo amor, que Paulo VI vê nele “a lógica e a força própria das almas simples e límpidas, das grandes decisões, como aquela de colocar-se imediatamente à disposição aos desígnios divinos a sua liberdade, a sua legítima vocação humana.” (Homilia 19/03/1969).

Na verdade, São José experimentou o puro amor de contemplação da verdade divina que irradiava da humanidade de Cristo com o qual ele convivia, assim como também experimentou a exigência do amor, ou seja, o amor de serviço requerido aos cuidados de Jesus (RC 27). Portanto, o amor de São José para Jesus era um puro amor de contemplação da unidade divina que se irradiava mediante a humanidade de Jesus, e também era um amor de caridade, de puro serviço à pessoa de Jesus. 

(Fonte: http://josefologia.blogspot.com/)


Dirijamos a São José a nossa oração:

"Salve, guardião do Redentor
e esposo da Virgem Maria!
A vós, Deus confiou o seu Filho;
em vós, Maria depositou a sua confiança;
convosco, Cristo tornou-Se homem.
Ó Bem-aventurado José, mostrai-vos pai também para nós
e guiai-nos no caminho da vida.
Alcançai-nos graça, misericórdia e coragem,
e defendei-nos de todo o mal. Amém."

(Papa Francisco, Patris Corde)