Nossa Senhora da Assunção e São José


Profissão Solene da Irmã Maria da Eucaristia

Nossa Ir. Maria da Eucaristia iniciou sua caminhada vocacional no Carmelo de Curitiba em janeiro de 2010, ano em que nosso Carmelo celebrava o Jubileu de Ouro de Fundação. Nascida em Goioerê – PR, residia com sua família no Mato Grosso. Após breve experiência em uma Congregação de vida ativa, conhecendo-nos pelo site, com 17 anos ingressou em nossa comunidade.



Com a profissão pública e solene dos conselhos evangélicos, são consagradas a Deus por mediação da Igreja; e, com um título novo e especial, entregam-se à sua glória, à edificação do Corpo de Cristo e à salvação do mundo. 


 

Tal consagração, radicada na do batismo e orde¬nada ao desenvolvimento da sua graça em abundância é um verdadeiro desposório com Cristo, mediante uma nova aliança de amor; união que manifesta o mistério da Igreja Esposa e antecipa o anúncio dos bens da glória futura.


 

”O amor de Deus, derramado em nossos corações pelo Espírito Santo” (Rm 5.5), anima e guia a prática mesma dos conselhos evangélicos, para chegar à plenitude do amor de Deus e dos irmãos. (Constituições das Irmãs Carmelitas)


 
A profissão solene há de ser vivida, ao mesmo tempo, como chegada e como ponto de partida, como um termo e um começo.
"A Igreja — em nome mesmo do Cristo — tomou um dia posse de todas as vossas capacidades de viver e de amar. Foi a vossa Profissão monástica. Renovai-a muitas vezes! 

E, a exemplo dos Santos, consagrai-vos, imolai-vos cada vez mais, sem procurar mesmo saber como utilizará Deus a vossa co¬laboração [...] Abrasai o mundo com o fogo da verdade e do amor revelados, assim como os técnicos do átomo acendem os foguetes espaciais à distância " (discurso de João Paulo II às contemplativas em Lisieux, aos 2 de junho de 1980, em DC de 15 de junho de 1980, n° 1788, p. 614, n° 3).
 

 

Transcrevemos as belas palavras de Santa Elisabete da Trindade que fez sua Profissão Solene no Domingo da Epifania, transcrevendo igualmente as graças dessa especial Solenidade na liturgia da Igreja, reservadas à Ir.Maria da Eucaristia no dia de sua Profissão:

 


“No dia 11 de janeiro, festa de luz e adoração, pronunciarei os votos que me unirão para sempre a Nosso Senhor.
Nesta manhã da Epifania, a mais bela de minha vida, apesar de que o bom Mestre já me tenha feito passar dias tão divinos, semelhantes aos do paraíso, nesse dia em que vão se realizar todos os meus desejos em que me vou tornar enfim a Esposa de Cristo.”

 

 

Que melhor solenidade poderia convir à celebração das núp¬cias místicas dessa donzela, sobre a qual se levantava "a glória do Senhor"? 
A liturgia cantava nesse dia em diversos cânticos a sua história e a sua vocação. Guiada pela luz divina, ela também, apesar do eclipse momentâneo da estrela, corajosamente perseverara na procura do Senhor; abrindo também os seus tesouros, oferecia-lhe o ouro de um coração puro, o incenso de uma vida toda de orações, a mirra do sacrifício de tudo e de si mesma.


 


“Finalmente Ele é tudo para mim. E agora, só tenho um desejo: amá-lo, amá-lo sempre, zelar por sua hon¬ra como verdadeira esposa, oferecer-lhe uma pousada, um abrigo em minha alma”.

 

 

 

 

Partilhando com todos que fazem parte de nossa família teresiana, que vivenciam no seu dia a dia a espiritualidade do Carmelo, pedimos suas orações pela vocação e perseverança desta nossa irmã. Convidando a vir celebrar conosco a Missa na Solenidade da Epifania, com a Profissão Solene de mais uma carmelita para messe da Igreja.